Prêmio Baker Top 2011 – Padaria 2000

Esse ano fui convidado pela Revista PADARIA 2000 para ser o Mestre de Cerimônia do BAKER TOP 2011, prêmio entregue para as padarias que se destacaram ao longo do ano, eleitas por um Conselho de Premiação.

A premiação ocorrerá hoje (23/11) a partir das 17h no Espaço Apas.

Me senti muito honrado com o convite da revista, pois também já fui agraciado com esse prêmio em outros anos. Esse é um momento muito importante para o setor de padarias, do qual fazemos parte e que a cada dia se fortalece mais.

Saúdo a todos os participantes e parabenizo as padarias vencedoras!!

Anúncios

O Quente do Inverno – Reportagem Padaria 2000

Receita Premiada

Receita Premiada

Quero novamente agradecer toda a equipe da Revista Padaria 2000 pela excelente matéria!!

fonte: Padaria 2000

Quente do Inverno


Revista PADARIA 2000 – N° 117 Matéria Vídeo Comentários Adicionar

Receita revelada pela PADARIA 2000 no concurso de 1999, o Fondue de Pão, de autoria do então iniciante Rogério Shimura, completa 10 anos

Um sucesso instantâneo e que chegou a vender uma tonelada em 45 dias. A receita era inovadora e ao mesmo tempo simples. Uma combinação de sete tipos de queijos dentro do pão itali-ano. Ou ainda uma mistura de chocolate também dentro do pão italiano. A criação era do então iniciante Rogério Shimura, na época à frente da padaria Nobre Boutique de Pães, na estância turística de Atibaia, interior de São Paulo. Naquele ano a receita não só conquistou a segunda colocação no Concurso da PADARIA 2000, como figurou no livro “PÃES & DOCES – Volume II”, e impulsionou a carreira daquele padeiro descendente de japoneses.
Hoje, uma década depois, além de conceituado chef boulanger, Shimura é um respeitado professor em cursos de panificação, confeitaria, gastronomia e consultor dos mais requisitados para desenvolvimento de produtos. O fondue no pão foi resultado de ousadia e criatividade. A ideia nasceu durante uma visita à Europain, em 1999, na França. Num típico bistrô francês, Shimura teve a curiosidade despertada para uma mistura de queijos que a proprietária promovia sob os olhos dos clientes. “Achei curioso e fui conversar com ela. Quando disse que era do Brasil, ela anotou a receita e me ofereceu”, relembra.
De volta à padaria de Atibaia, Shimura começou a testar a combinação de queijos. De teste em teste e de receita em receita foi aperfeiçoando o produto e oferecendo aos amigos para avaliar o sabor e o potencial de vendas daquele pão italiano recheado com queijos. “Quando comentei com meus amigos que ia lançar um fondue de pão, eles perguntaram se eu era louco e previam que não daria certo”, declarou Shimura na época. A iniciativa não só deu certo como, passados 10 anos, ainda é uma lucrativa fonte de renda no inverno, mas que seu autor, agora, só produz sob encomenda devido aos novos rumos da carreira que o fondue de queijo no pão italiano impulsionou.
“Minha carreira começou a deslanchar depois do sucesso do fondue no concurso da PADARIA 2000. Foi com esse produto que comecei a ficar conhecido e logo em seguida fui convidado para participações no programa Mais Você, da Ana Maria Braga, na Rede Globo”, relembra Shimura que em 2005 decidiu vender a padaria e partir para a carreira acadêmica e consultoria. Atualmente leciona na Universidade A-nhembi-Morumbi e desenvolve uma linha de pães para os restaurantes do premiado chef Alex Atala (veja reportagem na página 18) “Como esse fondue conseguia aumentar bastante o faturamento da minha padaria no inverno e para que os clientes conhecessem, promovia degustações. Quem experimentava virava freguês”, conta.
No ano de lançamento do fondue de pão, Rogério Shimura chegou a despachar o produto para diversos pontos do Brasil. Os interessados faziam um depósito na conta da padaria e o pão italiano, recheado com queijos e feito com fermentação natural de caldo de cana, ia para Salvador, Maceió e Porto Alegre, entre outras cidades. “Eu produzia de junho a setembro e ainda hoje recebo muitos pedidos, mas não tenho tempo disponível para montar uma linha de produção”, diz. “Muita coisa mudou nesses 10 anos. Antes eu embalava em papel alumínio, hoje existe um plástico que além de embalar pode ser levado ao forno, o que possibilita assar por inteiro sem queimar”, acrescenta Shimura.
O fondue era preparado em três tamanhos: pequeno, médio e grande e os de queijo vendiam mais que os de chocolate. O preço de venda era R$ 50,00 o quilo e se num primeiro momento pudesse parecer caro, depois que experimentavam, os clientes mudavam de ideia. Shimura costumava fazer grandes quantidades que eram congeladas e recebiam a validade de 30 dias, junto com uma etiqueta com todas as informações nutricionais e modo de preparo. “Sem contar que é um produto que em torno dele as pessoas se reúnem e é uma delícia ir partindo e compatilhando. Um tipo de fondue muito prático e excelente para ser acompanhado por um vinho nos dias frios de inverno”, sugere.