FISPAL 2018

Visitem o estande da Levain Escola de Panificação de 12 a 15/06 na FISPAL Food Service no Expocenter norte em SP e conheçam os treinamentos e cursos que a Escola oferece para a sua padaria, cafeteria, supermercado, confeitaria.

Nossos cursos são indicados para aqueles que desejam abrir um novo negócio, para os proprietários empresas de food service que buscam aperfeiçoamento ou para treinamento da equipe de profissionais.

Conheça nossos cursos no site da Levain Escola.

Ministrarei palestras sobre Ultracongelamento de Pães na ” Arena à la carte” todos os dias às 18h. Faça sua inscrição no site da Fispal  e até lá!

 

 

FISPAL2018

LEVAIN ESCOLA de PANIFICAÇÃO

SITE DA LEVAIN ESCOLA DE PANIFICAÇÃO

 

 

No site da Escola na aba CURSOS vc encontrará todos os cursos e conteúdos disponíveis e na aba DATAS todas as datas, valores, horários. etc. 

 

Na aba FALE CONOSCO vc encontrará informações sobre localização, hospedagem etc

Acesse:

www.levainescoladepanificacao.com.br

 

 

sitelevain16

 

 

 

A Alta Gastronomia Chega às Padarias

TENDÊNCIAS do MERCADO DE PANIFICAÇÃO E VALORIZAÇÃO DA PROFISSÃO DE PADEIRO na REVISTA FOOD SERVICE  de julho/11.

foodservice

Chef boulanger ajuda vertente tradicional da gastronomia a ressurgir com mais charme e qualidade

Larissa Souza

Rogério Shimura, chef boulanger dos renomados restaurantes D.O.M [sétimo colocado no ranking dos melhores restaurantes do mundo, segundo revista britânica Restaurant] e Dalva e Dito, todos os dois do chef Alex Atala. Shimura e Atala são sócios da padaria “Em nome do pão”, onde são produzidos mais de 10 toneladas de pães por mês. O diferencial, além da alta qualidade dos produtos, é o fato da equipe só trabalhar com pães artesanais, porém com volume de produtos industriais.

Shimura é apaixonado por sua profissão, o interesse pelo área surgiu com a forte influência da família que sempre atuou no setor alimentício. O negócio, que antes era apenas visto como rentável, passou a ser uma paixão: ” O nosso intuito, naquela época, era comprar padarias que estavam em baixa, reformar e depois vender. Hoje, isso é uma paixão para mim e faço com a maior qualidade possível”, conta.

Em 1999, Shimura foi para a França, o berço da panificação, buscar uma especialização na área e se preparar para o mercado competitivo. A partir de então seu pensamento diante da padaria mudou e, por consequência, sua imagem como chef boulanger foi consolidada. Este título veio para dar certo charme, credibilidade e até status aos padeiros que fazem parte da alta gastronomia. No ano seguinte, o chef voltou para o Brasil e começou a por em prática tudo que havia aprendido.

Shimura criou um fondue de pão, inscreveu a receita em um concurso e o seu bom desempenho na competição impulsionou sua carreira. Logo em seguida, o chef foi chamado para participar de quadros de culinária em diversos programas para o público feminino. “Quando eu estava na França fui jantar em um restaurante e vi a dona do estabelecimento preparando algo diferente. Resolvi conversar com ela a respeito daquela mistura de fondue com queijo. Ela pegou um guardanapo, escreveu a fórmula e entregou para mim. Quando eu cheguei no Brasil, comecei a fazer testes para adequar os queijos que, na época, a gente não tinha aqui”, relembra.

No ano de 2005 o chef boulanger foi chamado para ministrar uma aula no projeto “Cozinheiro Cidadão”, da comunidade do Jaguaré, que forma auxiliares de cozinha. Após receber um feedback positivo do coordenador e um grande carinho das alunas, resolveu investir nessa área. Atualmente, ele dá aula no curso de gastronomia, módulo panificação, da Universidade Anhembi Morumbi.

Uma parceria de sucesso

O convite para trabalhar com Alex Atala, partiu do próprio chef, em janeiro de 2009. Shimura dava aulas na Anhembi Morumbi e Atala precisava de alguém para fazer consultoria da sua padaria, que fornecia produtos para o D.O.M e Dalva e Dito. A ideia inicial era que Shimura atuasse na função apenas durante dois meses. Porém, seu ótimo trabalho agradou ao chef que resolveu montar uma padaria com o boulanger. Hoje, a “Em nome do pão” fornece pães para diversos restaurantes renomados, como Fasano e Tre Bicchieri.

O trabalho dos chefs funciona com muita sintonia, toda vez que Atala desenvolve um novo cardápio, ele conversa com Shimura antes. A partir de então, é feito um estudo e novos pães são apresentados. Foi com esforços como esse que o restaurante entrou para a lista dos melhores restaurantes do mundo. “É um trabalho de formiguinha que foi feito em conjunto, uma pessoa só não é capaz de fazer. Somos uma equipe que trabalha junto para desenvolver as melhores receitas e formulações que o cliente pode encontrar aqui no Brasil. Fazer parte dessa equipe me engrandece muito”, afirma.

Segundo o chef boulanger, a profissão de padeiro está ressurgindo. Apesar de muitos acharem que padaria é coisa para homem, a equipe do chef é toda composta por mulheres, em um total de 10 profissionais. “As minhas padeiras fazem mestrado e pós-graduação, o que eu prezo é que nunca parem de estudar. Elas aprendem o que é a padaria antiga, a trabalhar com fermentações e misturas diferentes, só assim se consegue um bom resultado no pão”, diz.

E os bons resultados também vêm com a ajuda de um ingrediente que não pode faltar na cozinha de Shimura, o levain, fermento cultivado há 160 anos. “O levain vai te dar muito sabor. Existe uma geladeira de 2,5m por 2,5m só para ele, trancado a sete chaves”, revela.

De acordo com o chef, o segredo do seu sucesso é a persistência e amor pelo o que faz, só assim é possível se destacar diante tamanha competição do mercado de trabalho. Ele mesmo confessa que o seu primeiro pão era impossível de ser consumido. “A prática que traz a perfeição. Eu fiz o meu primeiro pão com meu pai, se alguém o jogasse na parede, não seria necessário nem de marreta para tirar reboque. Hoje, graças a Deus, sai pão. É questão de persistência”, fala.

Hoje, Shimura apresenta um programa de televisão, “A Confeitaria”, no canal Bem Simples, da FOX, apresentado por ele e mais seis jovens confeiteiros e padeiros.  “Eu faço TV desde 2000, mas o friozinho da barriga do primeiro programa, é o mesmo de hoje. Porém, eu aprendi a controlar isso”, conclui.